Comércio exterior: aumentar produtividade é o maior desafio

No entanto, desempenho do setor vai depender dos resultados práticos das reformas


Por: Eliana Sonja
Data: 21 de janeiro de 2020
img

Certamente que, ao contrário do que havia sido prometido, o governo não priorizou as questões comerciais em 2019. O ministro da Economia, Paulo Guedes, havia prometido queda nas tarifas de importação nos 100 primeiros dias. Mas essa área terminou o ano em segundo plano. Para se ter uma ideia, o Comitê Estratégico da Câmara de Comércio Exterior (Camex) se reuniu pela primeira vez apenas em dezembro.

O volume do comércio exterior brasileiro é o mesmo desde 2011. O saldo comercial de 2019, de US$ 46,6 bilhões, caiu 20,5% em relação a 2018. O pior volume em quatro anos. As razões para esses números são variadas, como a queda no preço de commodities e a recessão na Argentina. Para 2020, a Associação Brasileira de Comércio Exterior (AEB) prevê redução de 3,2% nas exportações e alta de 6,6% nas importações.

Mas para os especialistas, o maior desafio para o comércio exterior em 2020 será o aumento da produtividade. De acordo com a Confederação Nacional da Indústria (CNI), na última década, a produtividade da manufatura brasileira aumentou apenas 11,7%.  Por isso mesmo, a CBI acredita que o desempenho do comércio vai depender mais dos resultados práticos das reformas, principalmente a tributária.

Em 2019, houve alguns movimentos pontuais. Entre eles o acordo que estabeleceu 2029 para o início do livre-comércio do setor automotivo no Mercosul, o acordo com a EFTA (Associação Europeia de Livre-Comércio) e a assinatura do acordo entre o bloco sul-americano e a União Europeia, em maio, depois de 20 anos de negociação. Em relação aos acordos bilaterais com os mercados da China e EUA, especialistas não acreditam que irão vingar, por conta da complexidade dos mesmos.

Dólar

O preço do dólar é outro fator que altera as exportações. De uma forma geral, quando há uma desvalorização do real, a tendência é a diminuição das importações e o aumento das exportações. Pois os produtos brasileiros ficam mais acessíveis no preço em dólar, portanto, mais baratos nos mercados externos.

Provavelmente, o Brasil não irá manter o nível da balança comercial deste ano, mas o cenário deve melhorar com as reformas. Por isso é importante que o Brasil aumente a produtividade. Mas, para isso, depende, como sempre, de juros e de carga tributária.

Meio ambiente e carne bovina

Outro fator que se tornou um grande desafio para o comércio exterior brasileiro está no meio ambiente. Com as queimadas recordes em 2019 na Amazônia, várias empresas chegaram a suspender a importação de couro brasileiro. Isso mostra que os importadores estão de olho nas taxas de desmatamento do Brasil. Esse fator também afeta a carne in natura, um dos principais produtos de exportação do país.

No geral, as exportações de carne bovina cresceram 11% em 2019. Para 2020, a projeção é que haja alta de 13% na exportação e 15% no faturamento. Espera-se, também, que a China se consolide como o maior comprador de carne bovina brasileira nos próximos anos.

Ainda em relação ao meio ambiente, será retomada, este ano, as negociações sobre a limitação de gases poluentes. A União Europeia estuda a adoção de tarifas contra países que não adotarem o Acordo de Paris. França, Irlanda e Áustria podem não confirmar o acordo do bloco europeu com o Mercosul por causa do desmatamento da Amazônia.

Guerra comercial

Outra preocupação é a guerra comercial entre China e EUA. Em dezembro, Trump anunciou o início de um acordo entre os dois países. Mas a questão vai além do comércio e envolve uma disputa pelo mercado da tecnologia 5G.

O que o Brasil tem a ver com essa história? Tudo, pois o Brasil terá leilão 5G este ano, e haverá muita pressão para o país não adotar o modelo chinês. Já a China participou do leilão pré-sal do Brasil. Daí os EUA ameaçaram reduzir as cotas do aço brasileiro. No fim das contas, há muito mais por trás dos bastidores. E, por tudo isso, as exportações brasileiras terão um grande desafio em 2020.

Sua empresa é exportadora? Ficou com dúvidas? Pois a Contab Minas, que possui 15 anos de experiência no mercado, pode ajudá-lo a entender o assunto. Entre em contato.

Conta pra gente o que você achou!