Kobe Bryant: lição de empreendedorismo

“Eu não me sentiria bem comigo se eu não fizesse tudo o que eu pudesse para me tornar a melhor versão de mim mesmo"


Por: Eliana Sonja
Data: 19 de maio de 2020
img

No início deste ano, o esporte mundial perdeu um dos seus maiores ídolos: Kobe Bryant. Um dos maiores jogadores de basquete da história, deixou um legado enorme, tanto para o esporte quanto fora dele. Porém, a filosofia do atleta pode ser traduzida também para o mundo dos negócios.

Para entender melhor, vale contar um pouco a história do jogador. Aos onze anos, Kobe jogava em sua escola e, ao contrário do que a grande maioria pode achar, ele era o pior entre os colegas. Pois ele simplesmente não acertava nenhum arremesso. Saia dos jogos chateado e decepcionado por não pontuar. Para muitos, isso seria motivo para desistir ou mudar de esporte. Mas Kobe se empenhou na missão de ser o melhor naquilo que se dispôs a fazer.

Em uma entrevista, ele disse “eu não me sentiria bem comigo se eu não fizesse tudo o que eu pudesse para me tornar a melhor versão de mim mesmo.”

Treinar, treinar e treinar

E o atleta começou a usar a matemática para ajudá-lo nos treinos. Ao perceber que alguns colegas tinham mais facilidade que ele em alguns movimentos e arremessos, Kobe chegou a uma conclusão. Se ao treinar o mesmo tempo que esses garotos, ainda pontuava 50% a menos que eles, então é preciso treinar o dobro ou mais que eles para que ele pudesse fazer mais pontos. Com essa ideia fixa na cabeça, deu início a uma maratona de treinamentos. “Se você treinar todos os dias um determinado tempo, ao final do ano imagina quanto você evoluiu, deu um salto em suas competências”, disse Kobe. Pois essa filosofia levou o pior jogador da turma a se tornar o melhor em dois anos.

O que essa história tem a ver com o mundo corporativo? Tudo! Alguns líderes de empresas se acomodam, e não buscam uma constante evolução em suas competências. Ou seja, é preciso se tornar a melhor versão de si mesmo todos os dias. E essa é a missão de todo empreendedor atual: é necessário se reinventar diariamente, estar aberto para novas possibilidades, e ser a sua melhor versão naquilo que se propõe a fazer.

Um dos maiores jogadores de basquete do mundo ensina muito ao mundo corporativo: que é preciso ter um propósito e fazer de tudo para atingi-lo. Assim, é preciso, no bom sentido, ser obcecado e amar o que se faz. Empolgação e decidir o que importante são fundamentais para alcançar o sucesso.

Conta pra gente o que você achou!